ACADEMIA CLAUDE BRENDEL - 2022

615c68a65e979a4475ac7a3f_Semana de Arte Moderna.jpg
615c693a7c9f0904a9d93640_Semana de 22.jpg
615c695eb43a720e211af4a7_Artistas e características da semana de arte moderna de 22.jpg

     HOMENAGEM AO CENTENÁRIO DA SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922

 

Na edição de 2022 da Academia Claude Brendel 2022 homenagearemos o centenário da SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922 com o "Prelúdio" das BACHIANAS N.4 de Heitor Villa-Lobos, o compositor brasileiro mais expressivo presente nesse marco histórico para a cultura brasileira.

A Semana de Arte Moderna foi um evento artístico e cultural que ocorreu no Teatro Municipal de São Paulo, entre os dias 13 a 18 de fevereiro de 1922. A proposta era apresentar uma nova estética artística para todos os campos das artes.

O evento contou com apresentações de dança, música, recital de poesias, exposição de obras de arte, como pinturas e esculturas, e palestras.

Os artistas envolvidos na organização da Semana de 22 propunham novas visões de estética artística, baseadas nas vanguardas artísticas europeias.

O evento, que chocou grande parte da plateia presente, buscou implementar novos processos na confecção das artes e dar-lhe uma feição mais brasileira. Um dos principais objetivos era o rompimento com a estética da arte acadêmica, especialmente do parnasianismo.

A informalidade e o improviso, a liberdade de produção, tudo isso tornou-se regra da arte moderna, de modo a romper o formalismo das artes até então vigentes.

A Semana de Arte Moderna de 1922 contou com a participação de alguns artistas, dentre os quais:

  • Mário de Andrade (1893-1945);

  • Oswald de Andrade (1890-1954);

  • Graça Aranha (1868-1931);

  • Victor Brecheret (1894-1955);

  • Plínio Salgado (1895-1975);

  • Anita Malfatti (1889-1964);

  • Menotti Del Picchia (1892-1988);

  • Ronald de Carvalho (1893-1935);

  • Guilherme de Almeida (1890-1969);

  • Sérgio Milliet (1898-1966);

  • Heitor Villa-Lobos (1887-1959);

  • Tácito de Almeida (1889-1940);

  • Di Cavalcanti (1897- 1976);

  • Guiomar Novaes (1894-1979).

A Semana de 22 cumpriu o papel de divulgação da arte moderna, que, por sua vez, cultivou o terreno para a consolidação de uma revolução artística e literária que tomou forma após 1922.